AFESP 20 de Julho de 2019 DGERT - Entidade Formadora Certificada  
Mapa do Site · Contactos · Fórum
 
   
 
     
 
     
 

17-06-09

 
 

Traçados das estradas nacionais quase invisíveis

 
 

Quase metade (44,5%) das marcas rodoviárias das estradas nacionais não tem qualidade: quase um terço (28,5%) dos traçados não cumprem os valores mínimos de retroreflexão (100 mcd/(lux. m2) e um quinto (16%) apresentam valores próximos do mínimo, devendo passar para valores negativos a muito curto prazo. Estas são algumas das conclusões do primeiro estudo sobre sinalização horizontal na rede rodoviária nacional, apresentado hoje pela Associação Portuguesa de Fabricantes e Empreiteiros de Sinalização (AFESP).

Entre as estradas com pior traçado encontram a 2ª Circular, Lisboa, a EN125, em Faro e ainda os troços analisados da EN109 – Aveiro, Coimbra, Leiria -, onde há zonas com marcas quase invisíveis.

A má qualidade da sinalização agrava-se à noite e com condições atmosféricas adversas, pois “nessa altura o condutor vê melhor, e primeiro, as marcas do que a própria estrada”, alerta João Almeida, auditor de Segurança Rodoviária e coordenador do estudo.

A secretária-geral da AFESP, Ana Raposo, recomenda, por isso, a reposição imediata das marcas defendendo que a sinalização, sobretudo a horizontal, constitui um exemplo de um investimento reduzido com uma elevada relação custo/benefício”.

Ao todo foram analisados 59 troços de estradas - três lanços com 15 km em cada um dos distritos do país -, tendo sido dado especial enfoque à capacidade de retro reflexão já que esta define a qualidade global da marca.

 
     
   
     
 

Auto-Hoje

 
     
  << VOLTAR  
     
     
  Agenda  
   
  04-06-19  
  Safe Roads - Road Safety: Everyone's Responsibility  
  AFESP convidada a participar no evento "Safe Roads - Road Safety: ... (+info)  
   
  18-11-18  
  Presidente da República assinala Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada  
  (+info)  
 
   
     
     
 
Subscrever Newsletter
 
 
  subscrever
 
     
     
     
© 2002-2018 AFESP - Todos os direitos reservados Siga-nos: