AFESP 17 de Agosto de 2017  
Mapa do Site · Contactos · Fórum
 
   
 
     
 
     
  26-04-12  
  Segurana rodoviria: "urgente" investir na sinalizao das estradas nacionais  
 

A Associao Portuguesa de Sinalizao e Segurana Rodoviria (AFESP) defendeu hoje um urgente investimento em sinalizao nas estradas nacionais, numa altura em que os condutores esto a fugir s portagens das autoestradas.

Na vspera do dia europeu de segurana rodoviria, que se assinala na sexta-feira, a secretria-geral da AFESP, Ana Raposo, alerta para o urgente investimento em sinalizao nas estradas nacionais, tendo em conta que estas vias so as que esto em pior estado de conservao e se antev um aumento da sinistralidade com a transferncia de circulao automvel das autoestradas e antigas SCUT.

Um estudo recente da AFESP concluiu que um em cada cinco acidentes se deve m sinalizao, ou seja, cerca de 20 a 30 por cento da sinistralidade rodoviria ocorre por via da m ou ausncia de sinalizao.

Segundo a secretria-geral da AFESP, no existe qualquer investimento na sinalizao, designadamente no que diz respeito s estradas nacionais que neste momento esto a filtrar uma elevada percentagem de circulao, tendo em conta que as pessoas esto a fugir s autoestradas e s SCUT por causa das portagens.

Ana Raposo considerou que os decisores pblicos nunca tiveram a sensibilidade necessria para perceber que a sinalizao essencial para a segurana rodoviria, destacando que uma medida de baixo custo e de fcil implementao e com um retorno imediato para o Estado.

Em momento de crise, em que absolutamente necessrio ponderar a relao de custo/benefcio, deve-se adotar medidas no que diz respeito colocao de marcao rodoviria e substituio da sinalizao, disse, explicando que encargos diminutos podem originar fortes vantagens para a diminuio da sinistralidade.

O estudo "o custo econmico e social dos acidentes de viao em Portugal", da autoria dos investigadores da Universidade Autnoma de Lisboa Arlindo Donrio e Ricardo Santos, concluiu que os desastres rodovirios custaram, em mdia, entre 1996 e 2010, cerca de 2.500 milhes de euros por ano, o que significa cerca de 1,54 por cento, em mdia, do Produto Interno Bruto (PIB) portugus de 2010.

Encomendado pela Autoridade Nacional de Segurana Rodoviria (ANSR), o estudo, divulgado na semana passada, indica tambm que o custo econmico e social anual mdio por acidente com vtimas, entre mortos e feridos, ronda os 60 mil euros.

Segundo a ANSR, desde o incio do ano morreram nas estradas portuguesas 157 pessoas, 561 ficaram gravemente feridas e 9.907 sofreram ferimentos ligeiros.

 
     
  LUSA  
     
  << VOLTAR  
     
     
  Agenda  
   
  13-07-17  
  Autarca reconhece que a falta de manutenção da estrada é factor de sinistralidade  
  (+info)  
   
  11-07-17  
  ANSR reconhece a má conservação das estradas como factor de acidente  
  (+info)  
 
   
     
     
 
Subscrever Newsletter
 
 
  subscrever
 
     
     
     
© 2002-2017 AFESP - Todos os direitos reservados Siga-nos: